Sim eu realmente preciso gritar EU ODEIO O MEU CORPO, acho ele horrível, sem forma, sem atitude, só vejo gordura, pelos, celulites, manchas, olha esse braço gordo e essa barriga então, odeio.”

Quantas vezes você já pensou isso? Ou ouviu de alguém?

Pode parecer um pouco chocante, mas reflita quantas vezes você já ficou insatisfeita ao ponto de não querer nem ir naquela balada porque o seu corpo não te agrada, ou pior quantas vezes você deixou de provar ou comprar uma roupa porque sei lá quem olhou estranho ou comentou “olha lá a gorda querendo comprar roupa de magrinha”.

Demorei muito para ter coragem de escrever sobre isso, pois muito do que está escrito é a minha realidade e o meu sentimento, porque muitas vezes, mas muitas vezes mesmo eu deixei de sair ou comprar porque me achava uma gorda escrota.

Desde que tive a reviravolta na minha vida, ganhei em torno de 18 quilos, pode parecer nada. Porém pra mim que desde que me entendo por gente sou insatisfeita com meu corpo, que sempre odiei o meu braço gordo e as coxas que me impedem de usar saia ou vestido sem ter que usar um short por baixo.

Quando tinha 11 anos pesava o que peso hoje e era muito mais baixinha, hoje com 25 anos peso 70 quilos, e sempre lembro de um dia que estava na minha avó com um copo de coca-cola e um pão cheio de manteiga e minha mãe viu e me deu uma bronca porque estava comendo demais, desde esse dia minha vida mudou, começou a saga de ser magra e o sentimento de sempre estar insatisfeita com meu corpo.

Olhar para o espelho e me amar!

Quando fiz 14 anos cheguei no peso ideal 49 quilos, nossa estava linda. Não estava não, ainda continuava odiando meu braço gordo, a bunda grande e as coxas grossas. Afinal ainda tinha que usar shorts por baixo da saia.

Pesei isso até os 20, porém como falei a vida dá voltas e desde então comecei a engordar, tomar remédios para depressão e muitas vezes pensei em sumir, fugir daqui, mas isso não ia adiantar, pois o sentimento iria continuar igual e continuaria sendo a gorda escrota.

Acho que não é errado não se amar, mas sim é errado não fazer nada para melhorar essa situação, desde que comecei a ficar em casa tento me doutrinar em me olhar no espelho e ver as qualidades.

Ninguém deixa de ser bom por que é gordo, claro existem alguns lugares que fazem questão de ignorar isso, mas eu sei que eu sou foda que todo o meu conhecimento e a minha experiencia são muito mais que um corpo.

Por tanto se você tem esse mesmo sentimento que o meu não se julgue isso é completamente normal, por mais difícil que seja, tente se amar veja o quão foda você é e que isso que você tem faz parte da sua personalidade e sem esse corpo você não se encontraria.

Eu sei que o post ficou grande, mas era o único jeito de me expressar.

Joseana Mar

"Exploradora de galaxias, ciclista de Monark pelos planetas do universo nas horas vagas, escritora de textos estrelares, leitora de livros pela metade, administradora da lua por graduação, aprendiz de design de interiores, não dispensa um bom chimarrão em uma tarde de domingo."

More Posts - Website

Follow Me:
FacebookPinterest

11 thoughts on “Eu preciso falar: Odeio meu corpo”

  1. O meu é a oposto Eu sou completamente magra e lamentavelmente, escuto que preciso engordar até da minha própria mãe. Talvez ela tenha razão, e eu sei que tem, pois, é muito complicado me amar . Vejo minhas amigas tudo com corpo adequado para a idade e eu fico tipo: “sou desnutrida” . Eu quero engordar, entende? Esse ano eu disse que seria meu ano no quesito a isso, porém, eu simplesmente não engordo. Isso mexe muito com minha auto-estima . Deixando ela cada vez mais baixa. No entanto, tenho conseguido . Tenho conseguido me amar e entender que o meu corpo não me faz menos bonita ou mais que as outras pessoas .
    Te entendo, te sinto a te compreendo.
    Um beijo!
    http://www.memorizeis.blogspot.com

  2. Jo… Que bom que você compartilha com os outros sua vivência.
    Eu já passei por isso, mas tenho uma habilidade de relacionamento intrapessoal fantástica e nunca foi tão difícil pra mim quanto parece estar sendo pra você.
    Ouvia as pessoas falando do meu peso, das minha roupas, do fato de eu não seguir um padrão. E eu tentava mudar! Tentava usar outras roupas, fazer outros exercícios, comer outras coisas (mas sempre comendo aquele chocolate escondido). Nessas tentativas foram 20kg a mais.
    Um dia parei! Um dia mudei de vida! Um dia sai de casa! Mudei a perspectiva e resolvi mostrar para os outros quem eu sou! E desde esse dia minha vida está mais leve.
    Eu como o que gosto e cuido da melhor forma que posso, eu me permito errar (sim, a forma como a gente leva outros aspectos também interfere na nossa aceitação), eu fiz o blog, eu substitui agachamentos por meditação e corridas falhas por aula de circo. E eu estou ótima.
    Eu coloco aquele meu coturno destruído e raspo a lateral do meu cabelo e quando entro em sala de aula (sou professora de graduação e as roupas e estilos sempre me preocuparam muito- o tal “não passar credibilidade”) os alunos sempre me elogiam, sempre me mandam recadinhos dizendo que adoraram a aula. Ou seja, as pessoas vão te aceitar quando você se aceitar, quando você permitir que elas conheçam quem realmente você é, sem todas essas amarras que nos impuseram. Não é fácil. É exercício diário! É continuar levando na cara e dizendo “eu sei quem eu sou e isso não vai interferir na minha relação comigo mesma”.
    Boa sorte na nossa jornada. Boa sorte para nós!

  3. Que bom que compartilhou, isso ajuda!
    Eu sempre fui mais cheinha e olhava no espelho e só reclamava, até que decidi mudar, entrei na academia e emagreci 15kg, estava magra, seca, com aspecto de doente e mesmo assim eu me olhava no espelho e me sentia feia e gorda, enfim nunca estava bom…até que parei e refleti…eu tenho que ser feliz do jeito que sou…e aprendi a me amar mais….e hoje sou apaixonada pelo o meu corpo e até o braço gordo que sempre odiei estou o amando rsrs

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

  4. É verdade, nós nunca estamos satisfeitas com o nosso corpo, mas sempre temos que ter uma autoestima bem elevada para poder superar essas nossas neuras
    Eu foquei num objetivo e hoje posso dizer que estou me sentindo bem melhor

    Bjs (•_•)

  5. Atualmente estou passando por uma fase delicada.. Estou no meu peso ideal, 52 quilos em 1,59 altura. Mas o foda é que a barriguinha ta bem avantajada e sou obrigada a ouvir piadinhas do tipo “ta grávida?” “a não acredito, vai ter um bebe?” “se eu fosse voce parava de comer um pouco, so sabe fazer isso”. Sem contar os relacionados a celulites!! é muito triste, e apesar de ão demonstrar socialmente, isso me corroi por dentro e eu fico naquela obsessão de ter que fazer dietas, praticar atividades, consequentemente acabo frustrada por não obter sucesso..

  6. Olá!
    Esse post é maravilhoso!
    Todas as mulheres passam por isso, sendo elas como forem. Claro que gordofobia é um preconceito estrutural e pessoas gordas tendem a sofrer mais, mas o caso é que essa sociedade patriarcal não deixa mulher nenhuma respirar. Se mais de nós entendessem isso, ia ser mais fácil se empoderar, porque o problema não está na gente, mas no corpo social.
    Beijos, que bom que está bem!
    seessemundofossemeu.blogspot.com

  7. Oiii
    Acho que em primeiro lugar nós precisamos estar felizes conosco, se não estamos precisamos nos mexer e ver o que é possível fazer para melhorar !
    A quase 2 anos atras eu estava 10 kg mais gorda e super insatisfeita ! Eu chorava quando as roupas ficavam feias e etc .. decidi mudar meu estilo de vida ! Hoje estou feliz comigo mesma e é isso
    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *